terça-feira, 15 de julho de 2008

"O coração tem que se apresentar diante do Nada sozinho e sozinho bater em silêncio de uma taquicardia nas trevas"
(Clarice Lispector)

4 comentários:

Mariah disse...

sobre o "Plano de Fundo"...já me senti exatamente assim. Houve uma época em que a solidão era o que mais desejava, porém quando me via sozinha, saía correndo a busca de "confusão". Hoje me sinto madura para a solidão da qual hoje desfruto e afirmo...ela é imprescindível para o autoconhecimento, para a alma.
obrigada pela sua visita lá na Casinha.
Me aguarde, estarei sempre por aqui.
Beijos da Mariah

Dani disse...

A Clarice escreveu um coração sombrio e eu acho que ele nem sempre tem que ser assim... às vezes ele foge das trevas. Mas é bem às vezes mesmo. Obrigada pela visita.

A Senhora disse...

Concordo com Dani.
Nem sempre o nosso coração tem que bater num compasso tão solitário. Às vezes ele faz parte de uma orquestra, às vezes de uma banda, às vezes num dueto.
E claro, na maior parte das vezes as decisões tomadas são absolutamente solitárias, únicas e sem direito a palpites.

Camilla Tebet disse...

O coração que bate sadio, bate do seu jeito, do jeito que pode>E a solidão do coração nem sempre é pra sempre. O coração bate mesmo sozinho e que bata com taquicardia das trevas, no desespero de amar. Acho que clarice lispctor mesmo na tristeza falava de amor, ou da falta dele. Vale bater.