domingo, 25 de janeiro de 2009

a história do homem que amava.

Jaime era homem de meia idade. tinha posses. duas filhas. e havia perdido a mulher há seis meses. o desânimo tomou conta dele. e doente. contratou os cuidados de Rose. mulher jovem. nem trinta anos. loira. olhos esverdeados. jeito de gente dedicada. foi pouco o tempo que demorou para que ele desejasse ela. quis ela ao seu lado. mesmo depois de se curar da doença. que não era grave. as filhas foram contra. o corpo da mãe não tinha nem esquentadso. e o pai já queria se casar de novo.
-Filhas, quero me casar com Rose. Sou homem, preciso de companhia. E vocês não estarão sempre por aqui.
-Pai, pelo amor de Deus, essa mulher não gosta de você.
As discussões foram em vão. no mês seguinte casaram. Rose que parecia tão perfeita. começou a mostrar o desinteresse e o nojo que sentia por Jaime. queria corpos novos. e toda noite se deitava com diferentes homens que trabalhavam na grande casa de seu marido. ele sabia. mas não se importava. desde que fosse desejo carnal. ela poderia compartilhar a lúxuria que afogava o corpo dela.
-Dr. Jaime, seu genro está te esperando lá embaixo.- disse o mordomo.
Carlos era noivo da filha mais velha de Jaime. moço alto. moreno. forte. tinha criação de cavalos. e estava prestes a se casar com Joana. ao vê-lo Rose desejou-o com todas as suas forças. e naquela mesma noite começaria a conquistá-lo. depois do jantar. a chuva tomou conta das terras. e Carlos resolveu permanecer por ali. quando todos se deitaram. ele foi até o celeiro. ver como estavam os cavalos de seu sogro. Rose apareceu ali. com uma camisola branca e transparente. seduziu-o. e tomou-o. naquela noite. ela tinha um poder de sedução. desconhecido por aquelas bandas. era devoradora de homens. Jaime viu tudo. assitia a cena. e esperou que dormissem. para loucamente matá-los. não fugiu. nem correu. esperou que alguém chegasse. e o leva-se para a cadeia.
-Sua mulher mantinha muitos casos. Por que a matou agora?- perguntou o delegado.
-Porque ela se apaixonou por ele. enquanto fosse apenas um desejo carnal. eu aceitaria. mas vê-la amar outro. era díficil demais pra mim.

4 comentários:

Docinho disse...

aiaiii viuuu
não sei se isso era amor não
que coisa estranha
:P


bjinhos docinhos

Letícia disse...

Você inverteu os papéis. O homem que espera e a mulher que vai passear em outro jardim. Gostei disso, mas não por ser traição ou coisa de feminista. Ele a amava e toda forma de amor é perfeita.

Bjs, Jaque.

D.Ramírez disse...

Texto grandioso que faz mexer com as libidos e fantasias de alguns, mas o final surpreendeu. Pensei q esse teria maado por ser o homem que casaria com a filha dele (embora acho, seria meio óbvio)..e mexer com filhos, ai ja viu..rs
Mas envolvente e super bem escrito.
Besos

Menino-Homem disse...

juro que não estou sentindo minhas pernas... é muito emoção do começo ao fim...