sexta-feira, 24 de outubro de 2008

o elevador.

ele chegava na casa dela. e lá vinha a grande ladainha. nada era bom o suficiente. tudo ela implicava. era o tempo. era a TV. ou o guarda-roupa. ele só ouvia. olhava para os lados. como quem quisesse falar de outra coisa. qualquer assunto. menos aquele pessimismo. exacerbado. que ás vezes a tornava chata. ela não era chata. só exagerada. tinha o vício de falar de mais. e ouvir de menos. ele até que gostava. mas alguns dias. enjoava. por isso pediu um copo de água.
-Linda, me dá um copo de água?
ela parou espantada com o pedido. porque ele sabia onde ficava os copos. e também a água. surpresa. ela questionou.
-Você quer gelada ou do filtro?
-Pode ser gelada. tá calor hoje.
-Pois é. esse tempo maluco...
-Ahhh...o que vamos fazer hoje? você está maquiada. mas ainda de pijamas.
-Vou me trocar. é rápido. já sei com que roupa vou. só um minutunho.
bom sempre que ela dizia que seria rápido. ele esperava por pelo menos meia hora. mas dessa vez. foram apenas alguns minutos. e ela apareceu no corredor. ele não tirou os olhos no corpo dela. como estava linda. desejou-a. ali. naquele instante. sem pressa.
-Vamos?
-Claro minha Linda...
-Onde você vai me levar hoje? sorriu ela.
-Pras estrelas.
-Nossa...agora você me deixou animada. faz frio lá? porque se fizer preciso pegar um casaco...
-Não. fica assim. desse jeito. tá bonito. eu gosto.
-Tudo bem.
ela saiu na frente. e ele paralisado. ainda atordoado. olhava ela. agora aceitava todas as injúrias que ela tinha. podia falar demais. podia fazer qualquer coisa. desde que estivesse ao lado dele. com ele. ele. apesar de ter sido marcado pela forte vontade carnal. olhou para o sorriso que ela tinha. e as covinhas que marcavam a buchecha dela. como ele a achava perfeita. e a amava. sim. era amor. depois de tanto tempo. parecia que se conheciam. tudo. o que um gostava. o que o outro detestava. e viviam. assim. desvendando. e marcando as partes. que eram só deles. o elevador então chegou. ela chamou. ele correu. foram eles a caminho das estrelas.

5 comentários:

BANDEIRAS disse...

Um belo conto...

Um final de semana bem gostoso prá ti

Bjs

Germano Xavier disse...

dois e um, ou o contrário. a construção de uma alma só passando pelos distúrbios e pelas desavenças. a claridade de um desdobrar-se em nuvens que calam a diferença. homem e mulher no mesmo pasto, sozinhos e unidos.

talvez o amor.
ou não.


um carinho, Jaque.
Continuemos...

Vivian disse...

...quando o amor está presente, as estrelas vem com ele.

vc é uma linda!!

muahhhhhhhhh

Taynar disse...

Ahhhhhh!
que lindo!
Lindo, lindo, lindo!

Quero alguém que enxugue, traga-me um pedaço de pudim e me ache bela, apesar das injúrias [Diversos textos de amor lidos essa semana!]

Beijos, moça

Camilla disse...

Um conto que começa com reclamções e termina no caminho para as estrelas.. é nesse meio do caminho que se faz o amor, não é?